Loading...

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Descendente de micaelenses vinga no Canadá




Brian Melo

Venceu o Canadian Idol entre 10 mil concorrentes e veio pela primeira vez aos Açores, para actuar no Angra Rock e conhecer a terra natal dos pais, São Miguel.
A mistura de sentimentos nesta viagem foi "intensa" para Brian Melo, que afirma ter sido "muito bem" recebido pelos açorianos. "All I Ever Wanted" é um dos seus êxitos mais conhecidos.
Segundo a mãe, aos 6/7 anos já escrevia letras de canções, tendo ficado muito entusiasmado com o convite para actuar no Angra Rock no final de Agosto, que o trouxe aos Açores pela primeira vez. O vencedor do Canadian Idol entre 10 mil concorrentes, aproveitou também para conhecer a terra natal dos pais, São Miguel.



A mistura de sentimentos nesta viagem foi "intensa" para Brian Melo, que afirma ter sido "muito bem" recebido pelos açorianos. "All I Ever Wanted" é um dos seus êxitos mais conhecidos.
Brian Melo nasceu em Hamilton, Ontário, mas é filho de emigrantes micaelenses. "A minha mãe cresceu na Relva e o meu pai na Achadinha"- revela, acrescentando estar inserido na cena cenário musical desde "tenra" idade. O pai era presidente do clube português Vasco da Gama e "trouxe o folclore de lá", de modo que a música e cultura portuguesas fizeram parte da sua vida, desde "muito cedo". Os irmãos, relata, também se tornaram membros de bandas portuguesas, logo "a cultura portuguesa no seu todo exerceu uma grande influência" no seu crescimento. Brian começou por escrever canções "com amigos" e entrou para os “Stoked”, tendo concorrido a um programa de televisão, o Canadian Idol, do qual saiu vencedor entre 10 mil concorrentes, o que "mudou" a sua vida. "Todas as pessoas têm os seus sonhos e este foi realmente um ponto alto na minha história e ter a possibilidade de viajar e dar um pequeno passeio por Ponta Delgada foi magnífico"- enfatiza.
Os pais, sublinha, sempre lhe contaram muito sobre os Açores, sobre a paisagem e tudo o mais, claro que "a gastronomia sempre conheci, cresci com ela e é muito boa"-reconhece. Os açorianos também são "de uma hospitalidade inacreditável e muito simpáticos", afirma, acrescentando que desde que chegou foi recebido de "braços abertos". Do que aprendeu com os pais o que mais o marcou, foi a necessidade de "trabalhar arduamente, pois se trabalharmos bem, as coisas boas acontecem". Princípios, pelos quais admite que se regeu à medida que crescia, e que sem dúvida o "ajudaram" a chegar até hoje.
Começou a interessar-se pela música era ainda muito novo, tinha seis anos provavelmente. Como os irmãos actuavam em casamentos e festivais portugueses, Brian cresceu nesse ambiente e estava no seu "sétimo céu", quando estes lhe "davam de vez em quando uma pandeireta para as mãos". Desde então dedicou-se a escrever letras de canções e uns anos depois, pegou na guitarra e começou a compor, o que fez durante muito tempo. Passar a fazer parte da cena do rock no Canadá não foi tarefa fácil, explica, lembrando que, no início, lhe fecharam "muitas portas na cara", mas não desistiu.
Referindo-se ao Canadian Idol, o cantor recorda que já tinha concorrido dois anos antes, mas sem passar da primeira eliminatória. O que não o desanimou, levou-o, sim, a concentrar-se na sua música". Em 2007, o irmão convenceu-o a participar, "uma semana antes de começarem as audições". E Brian resolveu tentar, contando apenas com a sua "atitude e confiança", que jogaram a meu favor."Estabeleci alguns objectivos a alcançar em pequenos 'passos de ouro' e obviamente consegui o que queria"- ressalva.
"All I Ever Wanted" foi o seu single vencedor, esclarece, acrescentando estar muito "satisfeito" com todo o álbum, que considera mais de Pop Rock, mas que é ao mesmo tempo também muito diverso. "Tenho canções como Emily, que é mais de folk pop e "Stay", que é mais Hard Rock".
No Angra Rock, o artista mostrou as suas duas vertentes, "a mais suave e a mais pesada". O álbum é muito "diversificado" e tem algo "diferente" que o grupo traz à baila, "ao contrário de muitas bandas".
As suas canções falam de temas muito variados. "All I Ever Wanted" foi baseada no "alcançar dos sonhos, no desejar que estes se concretizem e na altura em que isto efectivamente acontece". Outras abordam as "relações falhadas e o caminho que se percorre até chegar até determinado momento, além das suas diferentes experiências de vida" com os amigos e família.
Antes de entrar no mundo da música, Brian já queria apenas ser "músico" quando crescesse. "Não havia outra escolha e quando as pessoas perguntavam que profissão que queira seguir, respondia sempre que seria músico. "Mesmo que tivesse de viver nas ruas, estaria no mundo da música, pois é uma paixão que tenho, é quase como o ar de que preciso" para respirar.
Falando na família, o cantor afirma que o que retira das suas raízes açorianas, é "a paixão" que os pais têm pela vida e pelos filhos. Eles tiravam a roupa do corpo pelos filhos se fosse preciso, acentua, acrescentando que tem visto como eles são capazes de "desistir de tudo" pela família. Por isso, enfatiza, o cantor dá o seu melhor para criar a melhor música possível e para lhes mostrar que eles não estavam "errados" ao acreditarem em si, avançando que irá" longe" nesta área e construirá uma carreira ""longa e duradoura.
"Os meus pais sempre tomaram conta de nós e se puder fazer algo para tomar conta deles, ai eles poderão descansar um pouco quando envelhecerem, o que obviamente me vai fazer sentir muito bem".
Em São Miguel esteve apenas umas horas, mas diz é uma ilha bastante "acolhedora". Quanto a um dia se mudar para São Miguel, lembra que "nunca" se sabe o que o futuro nos reserva, mas é definitivamente uma terra à qual gostava de "voltar".
Brian salienta ainda definir-se basicamente pelas suas acções. Podemos dizer que vamos fazer inúmeras coisas, mas isso "não" é importante. "Importa o que se alcança e os exemplos que se seguem".
"Sou uma pessoa muito apaixonada e melancólica, que se deixa levar pela maré e pelo vento"- revela, afirmando adorar pessoas "sinceras", que lhe consigam "olhar nos olhos e serem verdadeiras". Por outro lado, detesta o oposto disso, pessoas que "falem mal e nos apunhalem pelas costas".
O cantor aproveita também para dizer que respeita quem lhe diga as coisas "na cara". Mesmo que não sejam boas notícias, alerta, prefiro que me digam "de frente", pois não gosto de pessoas "desonestas e matreiras". Aprecia ainda a "amabilidade e as pessoas que se dão às outras e que gostam de as ver a praticarem o bem, porque seguramente precisamos de mais pessoas assim no mundo".
Segundo o descendente de micaelenses, se os Açores o quiserem de volta, Brian regressará, "de certeza". Este reconhece que foi preciso "coragem" para os pais se mudarem para os Estados Unidos, acrescentando que os tempos eram outros. Não havia muitos empregos na altura e eles emigraram em busca de novas oportunidades. "Se fosse comigo, teria feito o mesmo se tivesse objectivos a alcançar na música".
Em termos de projectos, o descendente de micaelenses lembra a final do Canadian Idol no próximo dia 10 de Setembro, mês em que já tem outro espectáculo marcado e está a preparar para o seu próximo álbum. Brian irá actuar também em Nashville e em Los Angeles. "É um círculo de emoções".
O cantor aproveita para agradecer o modo como o acolheram nos Açores, "de braços abertos", e o facto de lhe terem dado a "oportunidade" de actuar no Angra Rock, para fazer "aquilo de que mais gosta", cantar. Diz ainda estar muito "entusiasmado", pois todos dizem, que o espectáculo será "surpreendente" e algo de que "nunca" se esquecerá.
Biografia
Brian Melo nasceu em Hamilton, Ontário, e é filho de Maria e Augusto Melo, emigrantes micaelenses. Obteve treino profissional de voz na “Royans School for the Musical Performing Arts”, na qual também estudaram Rock Star Supernova, Lukas Rossi e Raine Maida, o líder dos Our Lady Peace. Ofereceu-se também para ajudar na gravação de vocais com alguns dos alunos da escola e em 1997, Brian Melo fez parte de um coro, que cantou com Shania Twain. Em 2003, o cantor era já o vocalista da banda alternativa/ indie "Stoked", composta também por Joe Cacioppo, guitarrista, Rick Fazendeiro, baixista, e o Paul Fontes, baterista.
No momento da sua audição para o Canadian Idol, Brian ainda estava a viver e a trabalhar em Hamilton, na construção civil. Teve audições para temporadas anteriores do Canadian Idol, mas nunca tinha 'seduzido' os juízes. No início de 2007, incentivado pelos seus melhores amigos e irmão resolveu tentar novamente, altura em que surgiu no grande ecrã pela primeira vez.
No final da competição, todos os juízes elogiaram Brian pelo seu desempenho e controlo no palco. Após o seu desempenho com "Karma Polícia", dos Radiohead, o público e os juízes fizeram-lhe uma ovação de pé. A esperança de Jake Gold, era que "as pessoas em casa compreendessem o que tinham acabado de ver. Um dos momentos mágicos do espectáculo.
Antes do final, Zack Werner, afirmou que Brian poderia muito bem ser o próximo Canadian Idol, pois dava "credibilidade" à música. E assim aconteceu, a 11 de Setembro de 2007 Brian venceu o Canadian Idol, apesar de ter sido considerado a "ovelha negra" no início da competição, batendo Jaydee Bixby.
O seu primeiro single, "All I Ever Wanted", foi lançado a 13 de Setembro de 2007 e teve como tema principal a canção "Livin' It". Em 2008, o cantor apresenta "Shine", pouco tempo depois lança o terceiro single do álbum, "Livin 'It", intitulado "Summertime". Participou ainda no vídeo de Faber Drive do vídeo, "Sleepless nights".



Raquel Moreira


Pulbic in Agosto, 2008.

Sem comentários: